Atividades Educativas: Aprende e use para o bem, para Jesus Cristo
           
Pesquisar no site:
Fale conosco
Direitos autorais
Ajuda





Brasil não precisa gastar mais com educação. Precisa gastar melhor

Representante do Banco Mundial para o setor, a americana prega choque de gestão e foco no ciclo básico para aprimorar educação brasileira

Por: Nathalia Goulart - Atualizado em

Em visita a São Paulo, Barbara Bruns fala sobre a qualidade do educação no Brasil
Em visita a São Paulo, Barbara Bruns fala sobre a qualidade do educação no Brasil(Alexandre Ondir/Todos Pela Educação/VEJA)

O Plano Nacional da Educação (PNE), em discussão no Congresso Nacional, prevê que o país invista o equivalente a 7% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação pública. Alguns especialistas querem uma fatia ainda maior: 10%. Barbara Bruns, economista chefe para educação do Banco Mundial para a região da América Latina e Caribe, nada contra essa maré. "O importante não é gastar mais, mas gastar de forma mais eficiente", diz a americana. Uma constatação que sustenta essa posição é o fato de os países membros da OCDE, os mais desenvolvidos do mundo, investirem menos do que o Brasil no setor: são 4,8% ante 5% dos PIBs nacionais, respectivamente. Deduz-se que não é por falta de dinheiro que a educação pública brasileira deixa muito a desejar. Dados da Corregedoria Geral da União (CGU), por exemplo, mostram que 35% dos municípios auditados apresentaram irregularidades na utilização dos recursos destinados à educação. Outra prática local que a especialista condena: a ênfase na educação superior. Um estudante universitário brasileiro custa aos cofres públicos seis vezes mais do que um aluno do ciclo básico. As conlusões de Bruns estão presentes no relatório Atingindo uma Educação de Nível Mundial no Brasil: Próximos Passos, que mostra as lições de casa que o país ainda tem a fazer. Leia a seguir os principais trechos da entrevista que Bruns concedeu ao site de VEJA.

A senhora visita o Brasil com frequência. Quando o assunto é educação, o que mais ouve aqui? Uma coisa que ouço muito dos brasileiros que estão preocupados com a educação é que é necessário aumentar os gastos com educação. Dados globais não apoiam esse pensamento. O Brasil já gasta uma parte relativamente alta do PIB em educação pública - mais do que a média da OCDE e muito mais do que o Chile, por exemplo. O importante para o Brasil não é gastar mais, mas gastar de forma mais eficiente.

Como o Brasil poderia fazer melhor uso desse dinheiro? Duas coisas devem ser mencionadas: a forma de financiamento do ensino superior e o mau uso do dinheiro pelos municípios. No ensino superior, o padrão de gastos do Brasil é muito diferente do de outros países. Em todas as nações da OCDE, a relação entre gastos públicos com estudantes universitários e com alunos do ciclo básico é de dois para um. No Brasil, é de seis para um. A segunda preocupação são as evidências de que parte dos recursos da receita tributária destinada à educação não consegue chegar às salas de aula. A CGU constatou que até 35% dos municípios auditados apresentam irregularidades na forma de utilização dos recursos para a educação. Parte disso é resultado de uma má gestão, e não necessariamente de corrupção. Mas o fundamental é que o financiamento tem que chegar até a sala de aula. É na sala de aula que os recursos da educação se transformam em aprendizado.

Como reduzir seus gastos no ensino superior mantendo a qualidade do ensino? Em diversos países, os estudantes de universidades públicas de alta qualidade têm que pagar por parte da sua educação - seja por meio de pagamento de mensalidades ou de empréstimos. Isso faz todo o sentido quando pensamos que o mercado de trabalho lhes dará o retorno financeiro desse investimento.

A senhora diz que o Brasil é um grande laboratório de experiências educacionais bem-sucedidas. Como podemos aproveitar melhor esse potencial? O Brasil realmente é um laboratório de inovações educacionais - em níveis federal, estadual e municipal. Mas eu não diria que são todas bem-sucedidas. O fato é que ninguém sabe, porque a maioria dos programas não é avaliada. Avaliações rigorosas permitem aos governos ampliar os investimentos nos projetos que deram certo e cortar verba daqueles que fracassaram. Alguns estados, como Pernambuco, Minas Gerais e Rio de Janeiro, e também o município do Rio, já começaram a avaliar rigorosamente seus principais programas na área da educação, como, por exemplo, a bonificação de professores. (Continue a ler a entrevista)

As taxas de reprovação no Brasil estão entre as mais altas do mundo. Por que o sistema brasileiro ainda repete tanto seus alunos? Os professores no Brasil estabelecem padrões elevados para seus alunos. Se os alunos não podem atender a esses padrões, eles são obrigados a repetir. Entretanto, a maioria dos países tem se movido em uma direção oposta: um bom professor é aquele que acredita que toda criança pode aprender e que trabalha duro para apresentar o currículo de forma que cada criança de fato aprenda o conteúdo. Isso não é fácil, mas é a marca de um professor realmente excelente. Há muitos exemplos de professores assim no Brasil. É uma questão de garantir que as escolas de formação de professores, programas de formação em serviço e incentivos aos professores transformem isto em uma norma.

Isso é um obstáculo para o avanço da educação no Brasil? Sim. A taxa média de reprovação no Brasil - cerca de 20% na educação básica - é de longe a maior da América Latina, cuja média regional é de cerca de 10%. Apenas alguns países africanos muito pobres ainda seguem um padrão tão alto de repetência. Forçar os alunos a repetir é uma estratégia de ensino muito ineficiente. Isso desanima os estudantes, mina a sua autoestima e, muitas vezes, leva ao abandono precoce. Do ponto de vista do sistema, isso significa que milhões de reais e espaços escolares são ocupados por repetentes. Com uma menor repetência, para a mesma quantidade de gastos, as escolas poderiam oferecer tempo integral e mais materiais na sala de aula. Muitos secretários de educação no Brasil compreendem isso e estão se esforçando para mudar a cultura dos professores. É surpreendente para mim que os dados não mostrem ainda grandes progressos.

O ensino médio é etapa mais alarmante da educação básica, com alta evasão de estudantes. É um desafio só do Brasil? Não, é um desafio mundial. Isso porque o ensino médio apresenta dois desafios fundamentais. Primeiro, as escolas de ensino médio na maioria dos países têm de preparar alguns alunos para o ensino universitário e outros para ingressar diretamente na força de trabalho. Encontrar esse equilíbrio é difícil. E preparar os alunos para o trabalho é especialmente difícil em uma economia globalizada, onde as mudanças são rápidas. Isso exige previsão da demanda por trabalho, o que pode mudar rapidamente. Sistemas públicos de ensino em particular enfrentam muitos problemas, uma vez que não são, em geral, muito dinâmicos. Em segundo lugar, o ensino médio lida com os alunos numa época difícil de suas vidas - eles estão em processo de autodescoberta e têm autonomia para se engajar em comportamentos de risco, como o consumo de drogas. Muitas vezes, a escola é a última coisa na mente dos alunos. Por isso, tornar a escola um ambiente acolhedor é crucial.

Pesquisas de opinião indicam que o brasileiro sente que o avanço da educação é lento e que os resultados são pouco palpáveis. Que tipo de avanço nos permite ver que a educação de fato tem avançado? A melhor prova é a melhoria que o Brasil alcançou nos resultados da avaliação Pisa na última década. O desempenho em matemática é o maior já registrado, e a evolução combinada em matemática e língua é a terceira maior já vista pela OCDE.

Que fatores contribuíram para esse desempenho? Em primeiro lugar, a reforma no financiamento com a criação do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério) - posteriormente batizado Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) - tornou o financiamento da educação mais equilibrado. Em segundo lugar, a introdução de um sistema nacional de avaliação, composto inicialmente pelo Saeb (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) e posteriormente pela Prova Brasil e Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), permitiu que os formuladores de políticas públicas recebessem informações claras sobre a qualidade do aprendizado. Em terceiro e último lugar, os programas de transferência de renda como o Bolsa Escola (convertido em Bolsa Família) são uma ferramenta que ajudou famílias pobres a manter seus filhos nas escolas.

Apesar desse desempenho reconhecido, as escolas privadas ainda avançam mais rapidamente do que as públicas - o próprio Pisa mostra isso. Com é possível superar essa defasagem entre os sistemas privado e público? Em todos os países, existe uma elite de escolas privadas cujo desempenho está muito acima da média. Isso porque elas podem cobrar mensalidades altas e selecionar os estudantes mais bem preparados. Por outro lado, as escolas públicas podem - e devem - melhorar seu desempenho.

O que o Brasil tem a aprender com países como Chile, que avançam mais rapidamente em educação? Uma das diferenças mais importantes no Chile é a forma de uso dos recursos públicos e privados no ensino superior. Lá, os alunos tomam empréstimos para pagar sua educação, estejam eles matriculados em universidades públicas ou privadas. Isso ajudou o Chile a alcançar uma taxa muito mais elevada de participação no ensino superior (cerca de 30% em relação a 15% no Brasil) e a gerar os recursos para o aumento sustentado na qualidade. Mas há grandes semelhanças entre Brasil e Chile também. São os dois países na América Latina que estão trabalhando mais fortemente para melhorar a educação - com excelentes sistemas para medir e premiar resultados e constante inovação nas políticas. Eu acho que ambos estão vendo o retorno dos seus esforços na pontuação crescente do Pisa.

Fonte: veja.abril.com.br


Atividade: 8214 - Brasil não precisa gastar mais com educação. Precisa gastar melhor

Descrição: Representante do Banco Mundial para o setor, a americana prega choque de gestão e foco no ciclo básico para aprimorar educação brasileira

Disponível nas áreas de: educação pedagogia diversos

Fonte (Acessa para saber mais): veja.abril.com.br


Postado em: 14/08/2011
Último acesso em: 2017-09-24 19:27:42
Total de acessos: 5000

SUGESTÕES, CRÍTICAS, ELOGIOS,
LINKS QUEBRADOS, PROBLEMAS NA PÁGINA
Por favor, Clique aqui e preencha nosso formulário.8214

Atividades


Limpando o aquário

O professor Teo Oremas acabou de limpar o aquário e precisa de sua ajuda para enchê-lo novamente. ...

Teste da lesma

Dona Lesminha espera pela chegada de seu marido que retorna do fundo do poço. Durante o dia ele so...

Test di Livello di portoghese - Teste de Português

Este teste permite avaliar o conhecimento da gramática e do vocabulário da língua portuguesa.

Ray Ray

Quando você clica em um bonequinho agachado, ele levanta. Cuidado, os bonequinhos também tendem a im...

A história de Rute

História bíblica de Rute, a bisavó moabita do rei Davi.

Quem quer ser fantástico?

Similar ao 'Jogo do milhão' com questões bíblicas para responder.

Encontra a palavra

Encontre as palavras bíblicas neste caça-palavras.

Jogo dos versículos

Jogos dos Versículos para toda a família, jogue também com os amigos. Leia a questão sobre a passag...

O mistério de Aleijadinho

O jogo apresenta as características do Barroco e as obras do artista Aleijadinho.Refere-se ao conteú...

Atravessar o rio

Ajude seu José e seus dois filhos a atravessarem o rio. Mas atenção, o barco só transporta 100 kg.

Adivinha a letra

Jogo da forca com questões bíblicas

Você conhece as placas de trânsito?

Este é um jogo diferente. Você deve ligar o sinal de trânsito à sua respectiva descrição. Teste seus...

Star Wars: Jawa Junkyard

Bem-vindo ao Jawa Junkyard. Ajuda a reconstruir os droides antes que o tempo acabe!

Lógica

Quatro jogos de lógica 'Pensando com números, As moedas de Afonso, Mapa dos Diamantes e Senhas' para...

O filho pródigo

Ajude o filho pródigo a retornar para sua casa. Para isso use as setas para desviar dos perigos que ...

Arca de Noé

Leia a história da Arca de Noé e descubra porque Deus mandou ele contruí-la.

Quiz sobre a 'Era Vargas'

Três testes para você provar que manda bem na História do Brasil, em especial no período da 'Era Var...

A viagem de Kemi: Rações Químicas

Jogo Interativo explicativo sobre o conceito de transformação química. Você sabe o que é uma reação ...

A viagem de Kemi: Feromônios e a química do amor

Jogo Interativo explicativo sobre feromônios e a química do amor. Química nos mecanismos de defesa e...

Ciências: Palavras x Definição

Faça a correspondência de cada palavra com a sua definição. Hemácias, clorofila, anticorpos, recicl...

Teste: Você está se alimentando com segurança?

Confira se você está tomando os cuidados necessários para garantir a segurança dos alimentos.

Criptograma da Era Vargas

Será que você consegue decifrar esse criptograma e responder corretamente as questões sobre a Era V...

Caça-palavras: Doenças Negligenciadas

Doença de Chagas? Malária? Esquistossomose? Leishmaniose? Leptospirose? Quantos nomes difíceis!! Sã...

Círculo Mágico

O objetivo do jogo é completar as 6 casas do círculo mágico com números cuja soma do valor das casas...

Crescer e evoluir juntos

Jogo de quebra-cabeça com informações sobre como crescer e evoluir juntos com a empresa.

A viagem de Kemi: Densidade

Jogo "O arqueiro do Rei" explicativo sobre densidade.

Jogo de Cartas Mágicas (JCM)

É um teste psicológico computadorizado com layout de jogo, proporcionando maior interesse e motivaçã...

Desafio Eletrizante

Trabalhar conceitos de eletricidade predial e propriedades de circuitos elétricos em paralelo. Ativi...

Memória Elétrica

Jogo de memória sobre: Redes inteligentes Uso da rede elétrica com segurança Energia renováveis ...

Frações com o professor Sagaz

De quantas partes precisamos para fazer 1 inteiro?

Distribuição eletrôncia

Escolha um dos elementos da tabela periódica e preencha o diagrama de Linus Pauling.

Frações em Porcentagem

Jogo de memória no qual você deverá relacionar corretamente a fração à porcentagem correspondente.

Peixonauta em: Microscópio

Usando o mouse, arraste as lâminas até o microscópio e descubra os bichinhos que o professor quer ob...

Jogo das diferenças

Encontre as 10 diferenças entre as duas imagens.

Memória de Esportes

Jogo de memória com imagens que representam diversos esportes.

Audio Concentration - Similar Sounding Words

Requer som: Jogo de memória de pronúncia similar em inglês. Ouça e encontre os pares: bit, bite, ...

Jogo da memória da Doença de Chagas!

Jogo da memória da Doença de Chagas!

Duendes das Sombras

Arraste cada duende para a sombra correspondente bem como os demais objetos.

Sequência Lógica

Escolha o animal que completa sequência.

Agir de forma correta

Cruzadinha com questões que devem serem observadas na forma de agir, se comportar.

Lendas por Região do Brasil

Conheça as principais lendas do Brasil. A lenda do milho Norte: Lenda do Boitatá Norte: Lenda do ...

Do Ré Mi Fá

Preste atenção na sequência em que as pessoas cantam e repita na sua vez.

Jogo de Memória

Imagens diversas para você encontrar os pares.

Palavra-cruzada Folclore

Preencha essa palavra-cruzada encantada, com alguns seres do Folclore Brasileiro.

Camada de Ozônio

Palavra-cruzada com questões referentes a camada de ozônio.

Energia Elétrica

Palavras-cruzadas sobre Energia Elétrica (Consumo, produção, medição, etc...)

Palavras-Cruzadas para a 3ª Série

Seis palavras-cruzadas para você pode jogar sozinho ou em dupla.

Jogo do Shabat

Corra para chegar à Sinagoga antes do pôr-do-sol. Entendendo o Shabat: Todas as semanas, judeu...